sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Lição 07 - A beleza do serviço cristão (2)

O Serviço Cristão

Luiz Soares

Este artigo visa a estimular os crentes ao serviço cristão. Certamente o Senhor Jesus deseja ver cada um dos Seus discípulos ocupados com o Seu serviço, seguindo o Seu próprio exemplo. Dividiremos o estudo assim: 1) A chamada para o serviço. 2) O serviço. 3) Os requisitos para o serviço.

1. A chamada para o serviço

O Senhor disse: "Vinde após Mim" (v. 17). Ninguém pode servir o Senhor Jesus Cristo se não for um seguidor dEle. Muitas pessoas querem "cargos" na Igreja, querem trabalhar, mas não querem seguir ao Senhor; por vezes os responsáveis nas Igrejas dão responsabilidades a tais pessoas, pensando em incentivá-las a aceitarem a Cristo; outras vezes, pensam que ficarão ofendidas, se o serviço que desejam lhes for negado. Nada mais errado! Antes de servir, é preciso atender ao chamado de Cristo. Primeiro a conversão, depois o serviço. Ele nos chama, nos transforma, e depois nos dá serviço. Sem conversão, nem trabalho, nem contribuição financeira são aceitáveis.

Lição 07 - A beleza do serviço cristão

A GRANDEZA DO SERVIÇO CRISTÃO


Esboço extraído do caderno de Missões Nacionais 2002 "Pastor e Igreja", Publicação da JMN, pelo Pr. Jonas Celestino Ribeiro, com adaptação, notas, acréscimos e supressões pelo Pr. José Antônio Corrêa.
Pr. José Antônio Corrêa

Texto Bíblico: Neemias 4.19, "Disse eu aos nobres, aos magistrados e ao resto do povo: Grande e extensa é a obra, e nós estamos no muro mui separados, longe uns dos outros".


INTRODUÇÃO

1. Certa vez estava um grupo de trabalhadores em um grande terreno que vinha sendo preparado para construção. Quando passou um deles com um carrinho de mão cheio de entulhos, um observador perguntou o que ele estava dizendo. A resposta foi que ele estava, como em óbvio, empurrando um carrinho cheio de entulhos. Logo após, veio outro trabalhador também com um carrinho cheio de entulhos. A mesma pergunta foi feita. Ele então parou, largou o carrinho no chão, ergueu os olhos para ver toda a extensão do terreno e respondeu: "Estou construindo uma grande igreja".

2. Muitos estão servindo ao Senhor como o primeiro trabalhador: sem a visão da grandiosidade do que está fazendo. Para estes, o trabalho de Deus não passa de uma atividade qualquer entre tantas outras que fazem, como por exemplo o trabalho secular, o cuidado da família, o curso escolar, etc.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Lição 06 - A eficácia do testemunho cristão (3)

Extraído deste Livro
Parábola do sal e de seu sabor (Mt 5:13; Mc 9:50; Lc 14:34,35)

Essa parábola será estudada em conjunto com a próxima, sobre a luz, com a qual forma um paralelo, pois ambas tratam do testemunho e da influência cristã. O sal impede a corrupção e a luz dissipa as trevas. Existe distinção, mas as figuras con­vergem para um pensamento: "Sal da terra [...] luz do mundo". "Ambas são necessárias para uma revelação do estado moral e espiritual do mun­do." Nosso Senhor tinha feito decla­rações das suas maravilhosas bem-aventuranças; agora passa a ilustrar que influências os súditos do seu rei­no devem exercer.

Sal —que é isso? O dr. G. Campbell Morgan, ao tratar desse assunto, dis­se: "O sal não é antis-séptico, mas asséptico. Antisséptico é algo contrá­rio ao veneno, capaz de curar. Asséptico é algo destituído de veneno. O sal nunca cura a corrupção. Previ-ne a corrupção. Se a carne está conta­minada e corrompida, o sal não a descontaminará nem purificará; mas o sal ao redor impedirá que se espa­lhe a corrupção que, de outro modo, tornaria a carne contaminada". O sig­nificado da parábola é evidente. O Senhor espera, ele próprio, funcionar como influência moral e espiritual, a fim de prevenir que as forças corrom­pidas do pecado se espalhem. Se vi­vermos perto dele, fonte da santidade incontaminada, teremos o mérito des­sa oportunidade. Somente ele pode tratar da corrupção, mas, como o seu sal, precisamos conhecer tudo o que é antagônico à sua santa natureza e vontade.

Lição 06 - A eficácia do testemunho cristão (2)

Extraído do Livro "O Sermão da Montanha", de J. DWIGHT PENTECOST (Editora Vida)

O Sal da Terra

Mateus 5:13-16

  Talvez as palavras que mais se ouvem à mesa de refeições sejam Por favor, passe-me o sal. O sal é ingrediente necessário em nossos alimentos, e nossa saúde depende de um consumo adequado de sal. Adicionamos este elemento à alimentação não só para tomá-la mais saborosa, mas também para manter o correto equilíbrio do organismo, tão necessário à saúde. A dosagem excessiva ou deficiente de sal pode causar distúrbios indesejáveis ao nosso bem-estar físico.
  O valor do sal tem sido estimado desde tempos imemoriais. Os soldados romanos eram pagos com sal e, se algum deles era desleixado no cumprimento dos deveres, dizia-se que "não valia o seu sal". Em todas as sociedades antigas o sal era usado como sinal de amizade, conceito que ainda prevalece. No mundo árabe, se um homem participa do sal de outro, isto é, se toma refeição com este, aquele está sob a proteção e cuidado do anfitrião. Se o pior inimigo de alguém chegasse à sua tenda e comesse do seu sal, o hospedeiro estaria obrigado a protegê-lo e fornecer-lhe provisão como se fosse o mais prezado amigo.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Lição 06 - A eficácia do testemunho cristão

As propriedades, influência e poder do sal

Autor: Pr. Antônio Mesquita (Blog: Fronteira Final)

“Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens”, Mt 5.13.


Creio que poucos conhecem o real valor do sal o que acaba por tirar a importância da parábola estabelecida por Jesus, quando Ele compara o crente como tal.

Ao estabelecer esta parábola, o Senhor não só indicou o valor estabelecido por sua presença, por meio da ação da Palavra, explícita no poder do Espírito Santo em cada crente, mas quis ensinar que a Igreja, como Corpo de Cristo é, acima de tudo, dinâmica e ativa, jamais passiva. O sal tem propriedades que o faz um elemento acionador, isto é, põe em ação, em movimento, faz funcionar.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

O OBJETIVO DO ENSINO DE JESUS

Extraído do Livro: A Pedagogia de Jesus: O Mestre por Excelência - J. M. Price, Editora Juerp


Uma das coisas que mais ajudam no ensino é o ter objetivos claros e específicos. Muitos professores trabalham me­ses e meses sem objetivo definido, a não ser o de apresentar o material que se lhes forneceu. Isto responde por muita incúria, vacuidade e falta de interesse. Sem um alvo certo e preciso, definha-se o ensino por falta de perspectiva, de propósito e de objetividade. E também não se poderá avaliar os resultados do ensino, pois que não visa a coisa definida; e, assim, não sabemos para onde ele se dirige e nem onde chegará.

Com Jesus, as coisas caminhavam de modo mui dife­rente. Ele nunca ensinava somente pelo fato de ser chamado a ensinar. Ele sempre tinha um propósito e fins definidos a atingir. Sabia muito bem o que queria, e caminhava nesse sentido. Sabia para onde ia e de maneira firme caminhava para a consecução do seu objetivo sem olhar para oposições ou derrotas. "Vim para que tenham vida" (João 10:10). Buscou, assim, "transformar as vidas de seus discípulos, e, por meio de­les, transformar outras vidas e regenerar a sociedade humana". Muitas coisas estão incluídas neste seu objetivo geral.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Evangélicos são os brasileiros mais resistentes à união homoafetiva, aponta Ibope

Homem + Mulher = Casamento do Jeito de Deus. Genesis 2:24
Do UOL Notícias

Em São Paulo
 
Brasileiros que se declaram protestantes ou evangélicos são o setor mais resistente na sociedade à união de casais do mesmo sexo, aponta pesquisa inédita divulgada nesta quinta-feira (28) pelo Ibope Inteligência. O segmento apresentou o maior percentual de pessoas contrárias à união --77% contra 23% de favoráveis --, que, em junho, foi aprovada pelos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).


Lição 05 - O Reino de Deus através da Igreja

“O Reinar de Deus”:


Extraído da Apostila: "Eclesiologia: O Reinar de Deus na Terra" - Pr. Chrístopher B. Harbin
A igreja autêntica existe como a concretização do reinar de Deus e não pode existir desvinculada deste reino. É na vida da igreja—o povo de Deus—que o reinar de Cristo tem forma e exercício. O conceito do Reinar de Deus é a categoria principal no estudo da escatologia2, porém é na igreja que este reino tem o seu começo e a sua concretização primária. “No Novo Testamento, o reino de Deus é principalmente o seu reinar nas vidas daqueles que se submetem à sua autoridade”3. Logo o termo “reino de Deus” pode ser definido como o Seu “governo em ação”4, ou o “reinar de Deus”5.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

A influência da igreja sobre a cultura

Extraído do Livro: O Evangelho e a Cultura - ABU Editora e Visão Mundial
    Deploramos o pessimismo que leva alguns cristãos a reprovar o engajamento cultural ativo no mundo, bem como o derrotismo que persuade outros de que nenhum bem poderiam fazer nestas atividades, e que, portanto, deveriam esperar imóveis que Cristo conserte as coisas quando voltar. Muitos são os exemplos históricos, tirados de diferentes épocas e países, que poderiam ser dados da poderosa influência que, coma ajuda de Deus, a igreja tem exercido numa cultura predominante, purificando-a, reivindicando-a e embelezando-a para Cristo. Embora todas as tentativas até aqui feitas nesse sentido tenham tido seus defeitos, isso não prova que estes empreendimentos não deveriam ter sido realizados.

    terça-feira, 19 de julho de 2011

    Lição 4 - A Comissão Cultural e a Grande Comissão (Pacto de Lausanne)

    Os desafios do pacto de lausanne para a igreja hoje

    Para ver o conteúdo completo do "Pacto de Lausanne", clique aqui.

    RESUMO CRÍTICO - OS DESAFIOS DO PACTO DE LAUSANNE PARA A IGREJA HOJE

    Extraído do site: http://www.artigonal.com/religiao-artigos/os-desafios-do-pacto-de-lausanne-para-a-igreja-hoje-4919687.html
    Introdução

    No cenário evangélico brasileiro se faz necessário uma releitura de todo conteúdo do Pacto de Lausanne. Suas influências servem de base para despertar na liderança e no povo a genuína natureza e missão da Igreja.

    A consolidação doutrinária estabelecida pelo Pacto, foi de suma importância no meio evangélico ou evangelical, esta consolidação dividiu-se em: o propósito de Deus; a autoridade e o poder da Bíblia; a unicidade e a universalidade de Cristo e o retorno de Cristo.

    sexta-feira, 15 de julho de 2011

    LIGAÇÃO SOCIAL DO NOVO HOMEM

    Até um estudo superficial da vida de Jesus revela que Ele se interessou pela reação do homem diante dos problemas sociais com que se defrontava. Desde que Jesus Cristo andou pela terra, o pensamento mundial a respeito das questões sociais passou por transformação radical. Devido a Ele o mundo testemunhou uma nova reverência pela vida humana e aprendeu alguma coisa sobre a dignidade e o valor do homem. Dos cinco homens pelos quais Paulo passou nas ruas de Roma, três eram escravos. A afirmação de Cristo de que todos os indivíduos possuem valor incomensurável aos olhos de Deus, foi a imagem que veio mais tarde ajudar na libertação dos escravos. Jesus disse: "Ora, quanto mais vale um homem que uma ovelha?" (Mateus 12:12). Foi Jesus quem nos ensinou que existe em cada homem, potencialmente, um filho de Deus. Quando viveu na terra, ninguém foi Seu companheiro predileto, fosse por ser rico ou por ser pobre. A patente e a distinção social nada significavam para Ele e era pelo homem, como homem, que Cristo se importava. Tomando em Si a nossa natureza humana, mostrou o que poderíamos ser, o que Deus pretendia que fôssemos.

    Lição 3 - A vida do novo convertido II

    Extraído do Livro "Mundo em Chamas", Billy Graham" (Editora Betânia)

    A DINÂMICA DO NOVO HOMEM

    No terceiro século de nossa era, Cipriano, Bispo de Cartago, escrevia a seu amigo Donato, dizendo: "Este é um mundo mau, Donato; é um mundo inacreditavelmente mau. Mas descobri no meio dele uma gente tranqüila e santa que aprendeu um grande segredo, e encontrou uma alegria mil vezes maior do que a conferida por qualquer dos prazeres de nossa vida pecaminosa. Essa gente é desprezada e perseguida, mas não se importa. Essa gente é dona de sua própria alma, e sobrepujou o mundo. Essa gente, Donato, são os cristãos... e eu sou um deles."

    Se você se houver arrependido de seus pecados e recebido Cristo como Salvador, nesse caso você também é um deles.
    PERDOADO E JUSTIFICADO
    No momento em que você se converte a Cristo sucedem diversas coisas dramáticas, quer tenha ou não percebido.

    Lição 3 - A vida do novo convertido

    Extraído do Livro "Mundo em Chamas", Billy Graham" (Editora Betânia)

    A POSSIBILIDADE DO NOVO HOMEM


    Em seu Brave New World (Novo Mundo Audaz), Aldous Huxley inventou uma droga chamada "soma", que tirava todas as asperezas da vida. Não resta dúvida de que, para salvar a humanidade, é preciso ser feita alguma coisa radical, e bem depressa. O homem está à beira do inferno, e as forças que adejam sobre nosso mundo mostram-se tão avassaladoras que, por toda a parte, o homem começa a gritar com desespero: "Que devo fazer para salvar-me?"

    Em nosso mundo, tudo parece estar melhorando, menos o homem. Em sua natureza moral essencial, que governa sua relação com o semelhante, ele rouba, mata, mente, engana e espolia. Desde o começo do tempo, ele permanece essencialmente o mesmo. Os relatos jornalísticos de assassinato, estupro e brutalidade indicam que, de alguma maneira, nós fracassamos. Depois de muitos anos de estudos psicológicos, Carl Jung afirmou: "Todos os antigos pecados primitivos não estão varridos, mas acocorados nos cantos escuros de nossos corações modernos... ainda ali, e ainda tão medonhos quanto sempre o foram."

    quinta-feira, 30 de junho de 2011

    Lição 01 - O Projeto Original do Reino de Deus II

    A Missão Integral da Igreja: Porque o Reino de Deus está entre vós


    Extraído da Revista Ensinador Cristão nº 47, p. 14-16
    Autor: Pr.Wagner Gaby

    Lição 01 - O Projeto Original do Reino de Deus

    O REINO DE DEUS
    Extraído de: "O Novo Comentário da Bíblia" - Prof. F. Davidson 
    No Velho Testamento é antecipado o Reino de Deus, passando a ser consumado nesta terra. É característica a famosa profecia messiânica de #Is 11.1-9. Os autores de apocalipses anteriores desenvolveram indefinidamente esses textos e conceberam narrações fantásticas. Em 1 Enoque 10.17 e segs. diz-se que os justos terão uma velhice feliz e gerarão milhares de filhos. As sementes produzirão mil por um, etc., etc. Recorde-se a descrição do milênio de Papias baseado nesta fonte.

    sábado, 11 de junho de 2011

    As Assembleias de Deus e os Fundamentos da Fé Cristã

    Extraído da Revista Ensinador Cristão (nº 46, p. 14/16)
    Autor: Pr. Elienai Cabral


    As Palavras de Jesus são incisivas quando diz: "levantai os vossos olhos e vêde..." (Jo 4.35). Os campos brancos representavam o trigo que deveria ser colhido antes que se perdesse. Jesus convida seus discípulos para que vissem com olhos espirituais aqueles campos. O desafio tem uma visão para o mundo. Jesus o via como "um campo branco para a ceifa". Entretanto, nesta oportunidade, quero inverter o sentido de mundo para a Igreja e fazer uma aplicação centrípeta para a nossa Assembleia de Deus.

    Lição 11 - Uma Igreja Autenticamente Pentecostal

    Revista Ensinador Cristão - Ano 12, nº 46, p.41 (Autor do comentário: Alexandre Coelho)

    sexta-feira, 3 de junho de 2011

    Lição 10 - Assembleia de Deus 100 Anos de Pentecostes (Parte 01)

    Este livro, escrito por Jonas Borges e Simeia Borges, relata com riqueza de detalhes a história de algumas das Igrejas AD's no estado do Pará, em especial o início e o crescimento da Igreja de Belém.

    sexta-feira, 27 de maio de 2011

    Lição 09 - A Pureza do Movimento Pentecostal (02)

    O avivamento da rua Azusa dá início ao pentecostalismo


    Extraído do Livro Os 100 Acontecimentos mais importantes da história do Cristianismo (Editora Vida)
    "Com gritos estranhos e pronunciando coisas que aparentemente nenhum mortal em seu juízo normal pudesse entender, teve início, em Los Angeles, a mais recente seita religiosa."

    Foi isso o que disse a edição de 18 de abril de 1906 do Los Angeles Times. 'As reuniões acontecem em um prédio decadente da rua Azusa, e os devotos de doutrinas estranhas praticam os ritos mais fanáticos, pregam as mais extravagantes teorias e se colocam em um estado de louca euforia quando se entregam ao fervor pessoal."

    A publicidade negativa realmente ajudou a trazer mais pessoas. Alguma coisa sobrenatural acontecia naquele prédio antigo. William J. Seymour, pregador batista negro, recém-chegado de Houston, chamava os crentes a dar um passo a mais. Na verdade, dois passos: ele queria que eles se "santificassem" e que fossem "batizados no Espírito Santo". O batismo, dizia ele, seria acompanhado pelo falar em línguas.

    Lição 09 - A Pureza do Movimento Pentecostal

    Extraído do Livro “PENTECOSTE: O fogo que não se apaga”, de Hernandes Dias Lopes (Candeia)


    Porque fogo estranho tem substituído o fogo do Espírito

    Há hoje muita heresia no mercado da fé. As prateleiras religiosas estão abarrotadas de muitos produtos belamente embalados para atrair os gostos variados da freguesia. Há muita religiosidade que, embora pareça atraente e convincente, não passa de fogo estranho no altar de Deus. O fogo estranho é aquele que não vem do céu, é fabricado pelo homem. Não vem como resposta e favor de Deus, mas é produzido artificialmente pelo homem para impressionar, como se tivesse o selo divino. O fogo estranho é aquele criado fora dos princípios das Escrituras. Ele é muito parecido com o fogo verdadeiro. Ele impressiona as pessoas. Ele atrai muitos curiosos.

    terça-feira, 17 de maio de 2011

    Lição 08 - O Genuíno Culto Pentecostal (02)

    Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento

    Autor: Lawrence O. Richards

    Editora: CPAD

    Páginas: 350-352

    Texto: "O dom de profecia e de línguas"

    Lição 08 - O Genuíno Culto Pentecostal

    Lições Bíblicas - 3° Trimestre de 2006

    Tema: As Doutrinas Bíblicas Pentecostais

    Comentarista: Pr. Antônio Gilberto

    Lição 11 - Decência e Ordem no Culto ao Senhor





    segunda-feira, 9 de maio de 2011

    Lição 07 - Os Dons de Poder

    OS DONS DE PODER
    Extraído do Livro: A Existência e a Pessoa do Espírito Santo, de Severino Pedro da Silva (CPAD)


    I - O Dom da Fé

    "E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé" (1 Co 12.9).

    Os dons de poder, conforme já vimos em outras notas expositivas, são:

    DOM DA FÉ
    DONS DE CURAR
    DOM DE OPERAR MARAVILHAS

    Os dons da palavra da sabedoria, da palavra da ciência e de discernir os espíritos atuam na mente. Já os dons de poder, que estudaremos nesta seção, atuam na área física. E os do terceiro grupo - profecia, variedade de línguas e interpretação das línguas - atuam na esfera espiritual.

    quinta-feira, 5 de maio de 2011

    Lição 06 - Dons que manifestam a Sabedoria de Deus II

    OS DONS DE REVELAÇÃO


    Extraído do Livro: A Existência e a Pessoa do Espírito Santo, de Severino Pedro da Silva (CPAD)

    I - O Dom da Palavra da Sabedoria

    "E a um pelo mesmo Espírito é dada a palavra da sabedoria" (1 Co 12.8).

    De acordo com Riggs, é fácil determinar a ordem dos dons neste grupo, já que a sabedoria pressupõe a ciência e é uma aplicação discreta do conhecimento. A sabedoria é maior que a ciência, embora sejam sempre citadas em conexão nas Escrituras (Pv 4.7; 8.12; 9.10 etc).

    O discernimento de espíritos é apenas parte do conhecimento e, portanto, uma extensão da sabedoria e ciência divinas.

    Examinemos em detalhes os dons de revelação:

    terça-feira, 3 de maio de 2011

    Lição 06 - Dons que manifestam a Sabedoria de Deus

    OS DONS DE REVELAÇÃO


    Extraído do Livro: O Espírito Santo Meu Companheiro, de David Young Cho (Editora Vida)
    O Dom da Palavra da Ciência

    A Bíblia refere-se a este dom como "a palavra da ciência" (1 Coríntios 12:8), em vez de o dom do "conhecimento", e há um motivo para esta distinção. Se nos referíssemos a este dom como o dom de conhecimento, isso incluiria tudo sobre o conhecimento concernente a Deus. Mas o dom da palavra da ciência refere-se à parte do conhecimento de Deus que ele mesmo queira revelar-nos.

    Conhecimento refere-se à condição de conhecer algo, através da percepção de verdades concernentes às coisas e assuntos; hoje, entretanto, muitas pessoas entendem de modo errado o dom da palavra da ciência.

    Lição 05 - A Importância dos Dons Espirituais

    DONS DO ESPÍRITO SANTO
    Extraído do Livro: O Espírito Santo Meu Companheiro, de David Young Cho (Editora Vida)


    Na primeira epístola de Paulo aos Coríntios, no capítulo 12, de 4 a 11 existe uma classificação dos dons do Espírito: "Há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. A manifestação do Espírito é dada a cada um para o que for útil. A um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; a outro, pelo mesmo Espírito, fé; a outro, pelo mesmo Espírito, dons de curar; a outro, a operação de milagres; a outro, profecia; a outro, discernimento de espíritos; a outro, variedade de línguas, e a outro, interpretação de línguas. Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, distribuindo particularmente a cada um como quer."

    terça-feira, 19 de abril de 2011

    O poder do Espírito Santo na vida da igreja

    Autor: Rev. Hernandes Dias Lopes

    Referência: Atos 1.1-14 e 2.1-47

    INTRODUÇÃO

    1. Visitei várias igrejas nos Estados Unidos, Canadá e Europa que são chamadas “igrejas mortas”. Estão mortas porque deixaram a fonte da vida. Sem o Espírito Santo a igreja morre. Sem o Espírito não há vida na igreja.
    2. É possível a igreja hoje ser revestida com o poder do Espírito Santo? É possível sermos revigorados pelo poder do alto? É possível sermos tomados de uma profunda convicção de pecado e uma intensa sede de Deus?
    3. Ao longo da história, várias vezes, Deus visitou o seu povo: a igreja primitiva, Valdenses, Reforma, Morávios, Puritanos, Missões, Avivamentos.
    4. Vamos observar algumas verdades importantes do texto em apreço: A igreja estava com as portas fechadas, com medo dos judeus. Jesus estava ausente. Os discípulos estavam em crise. Hoje estamos também assim: cheios de tensões, fechados, com medo, acovardados. Precisamos, também, de experimentar o derramamento do Espírito Santo.

    A ação do Espírito Santo na vida da igreja

    Autor: Rev. Hernandes Dias Lopes

    Referência: Zacarias 4.6

    Sem a ação do Espírito Santo não haveria nenhum crente e nenhuma igreja existiria.

    O Espírito Santo é quem aplica a obra de Cristo em nosso coração. Ele é quem gera vida: biológica e espiritual.

    segunda-feira, 18 de abril de 2011

    CARACTERÍTICAS DOS DISCÍPULOS (ALUNOS) DE JESUS

    Extraído do Livro: "A PEDAGOGIA DE JESUS: O Mestre por Excelência", de J. M. Price (Juerp)

     
    Ilude-se quem pensa terem sido ideais e modelares as pessoas que Jesus ensinou, mesmo incluindo-se os doze apóstolos. Caracteres bíblicos muitíssimos distanciados de nós, temos que concebê-los em nossa imaginação. Certo foram muito humanos como nós, com essas imperfeições e fraquezas naturais à criatura humana, pois que esta é sempre a mesma em todas as épocas. Embora mudem as condições ambientais, a natureza humana em sua essência é sempre a mesma.

    POR QUE ESTOU COMPROMETIDO EM ENSINAR A BÍBLIA

    John MacArthur Jr. (Revista: Fé para Hoje)

    Jamais aspirei ser conhecido como um teólogo, um apologista ou um erudito. Minha paixão é ensinar

    e pregar a Palavra de Deus. Embora tenha abordado questões teológicas e controvérsias doutrinárias, em alguns de meus livros, nunca o fiz sob o ponto de vista da teologia sistemática. Pouco me inquieta o fato de que algum assunto doutrinário se enquadra nesta ou naquela tradição teológica. Desejo saber o que é bíblico. Todas as minhas preocupações estão voltadas às Escrituras, e meu desejo é ser bíblico em todo o meu ensino.

    quinta-feira, 14 de abril de 2011

    Dúvidas sobre o Batismo com o Espírito Santo

    Extraído do Livro: A Bíblia Responde, CPAD.

    Esta obra, publicada em 1983, foi baseada em dezenas de edições da coluna "Pergunte a A Seara", da revista "A Seara" (periódico oficial das AD's na época), que respondia, com muita segurança e propriedade, às perguntas formuladas por seus leitores. Os pastores Abraão de Almeida, Geremias do Couto, Geziel Gomes, Gustavo Kessler, Hélio René, Mardônio Nogueira, Miguel Vaz e Paulo César Lima foram alguns dos obreiros que respondiam a estas perguntas.
    • "O crente que não recebe o batismo no Espírito Santo subirá ao Céu, ou Jesus o batizará no arrebatamento da Igreja?"
    • "Tenho dúvidas sobre o significado do "dom de línguas". Poderiam ajudar-me?
    • "Por que João Batista era cheio do Espírito e nunca falou em línguas?"
    • "O batismo com o Espírito Santo é o selo da promessa?"
    • "Quantas espécies de batismo existem na Bíblia?"

    quarta-feira, 13 de abril de 2011

    Lição 03 - O Que é o Batismo com Espírito Santo

    Lições Bíblicas - 3º Trimestre de 2006
    Lição 04: O Batismo com o Espírito Santo
    Comentarista: Pr. Antonio Gilberto

    O batismo com o Espírito Santo - Manual de Doutrinas das AD's (CGADB)

    O batismo com o Espírito Santo


    O batismo com o Espírito Santo é uma bênção distinta da salvação. Conquanto a terceira Pessoa da Trindade tenha papel relevante na conversão e passe, desde então, a habitar no novo crente, o Novo Testamento deixa claro que há um momento específico da vida cristã em que o salvo recebe esse batismo, também chamado de revestimento. Essa experiência, toda vez que é mencionada no livro de Atos dos Apóstolos, aparece como algo distinto do novo nascimento (At 2.38; At 11.12-17).

    terça-feira, 12 de abril de 2011

    Série Personagens do Movimento Pentecostal - Agnes Ozman

    Agnes Ozman


    Agnes Ozman (1870-1937) era uma estudante de Charles Fox Parham na Bethel Bible College, em Topeka , Kansas . Ozman foi considerada por muitos como "A primeira a falar em línguas". Suas experiências despertaram o moderno movimento pentecostal, que começou no início do século 20.


    Seus pais eram agricultores e, desde a infância, Agnes e seus seis irmãos participaram da Igreja Metodista Episcopal , em Nebraska , Wisconsin . Como uma mulher jovem, Agnes participou das instituições bíblicas de seu tempo e, eventualmente, participou da Bethel Bible College em Kansas.

    sexta-feira, 8 de abril de 2011

    LIDERANÇA DA EBD: PERFIL E ATRIBUIÇÕES

    Pr. Lucileno Cardoso Cavalcante

    1.QUEM EXERCE LIDERANÇA NA EBD

    a)Pastor

    O pastor é o líder de líderes, ou seja, aquele que deve orientar, coordenar, planejar e executar juntamente com os demais líderes as atividades da Igreja, devendo envolver-se em todos os departamentos, para que possa acompanhar o desenvolvimento pleno da Obra de Deus.

    segunda-feira, 4 de abril de 2011

    Lição 02 - Nomes e Símbolos do Espírito Santo

    Símbolos do Espírito Santo
    Extraído do Livro: Sombras, tipos e mistérios da Bíblia, Joel Leitão de Melo - CPAD

    "...O Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus" (1 Co 2.10b)

    O Espírito Santo é a terceira pessoa da Trindade. Em várias passagens da Bíblia aparece junto com as outras duas.
    "Eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador..." (Jo 14.16a). "...batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo'' (Mt 28.19b). "A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja com vós todos...'' (2 Co 13.13).
    Como pessoa divina, a sua obra em benefício dos crentes é:

    Linguagem figurada - Sombras, tipos e mistérios da Bíblia

    Extraído do Livro: Sombras, tipos e mistérios da Bíblia, de Joel Leitão de Melo - CPAD

    "Desvenda os meus olhos, para que veja as maravilhas da tua lei" (SI 119.18)
    A Bíblia tem alguma coisa diferente de todos os outros livros deste mundo.
    A sua preservação por tantos séculos e a sua divulgação, sendo aceita e apreciada por tantas pessoas de classes, condições e profissões diferentes. Reis, filósofos, poetas, estadistas, sacerdotes, médicos, publicanos, pescadores, etc. escreveram, um no deserto de Sinai, outro no palácio de Jerusalém, outro junto ao rio da Babilônia, outro na cadeia de Roma, outro na Ilha de Patmos. Há um período de quase 1.600 anos entre o primeiro e o último escritor. Os materiais apresentados são: história, genealogia, lei, ética, profecia, ciência, higiene, economia, política e regras para a conduta pessoal. Tudo isto forma uma unidade, expondo o plano de Deus na salvação dos pecadores.
    Gênesis é o começo das coisas. Apocalipse, a consumação.

    quarta-feira, 30 de março de 2011

    Lição 01 - Quem é o Espírito Santo II

    Lição 03 - A Divindade do Espírito Santo (16/07/2006)

    Lição 01 - Quem é o Espírito Santo

     
    SOBRE O ESPÍRITO SANTO

    Cremos no Espírito Santo como a terceira Pessoa
    da Trindade, genuíno Deus, eterno, onipotente,
    onipresente e onisciente
    (Jo 16.13,14).
    Extraído do Manual de Assembleia de Deus no Brasil, editado pela CPAD
    Sobre a doutrina acerca do Espírito Santo, urge prevenirmos os mal-entendidos. Isso porque o tipo de relacionamento que a maioria dos cristãos vem tendo com o Espírito Santo, a terceira Pessoa da Trindade, é absolutamente estranho e ao mesmo tempo paradoxal, quando analisado à luz da nossa declaração de fé, que diz: "Cremos [...] em um só Deus eternamente subsistente em três Pessoas: O Pai, o Filho e o Espírito Santo".

    terça-feira, 29 de março de 2011

    I Seminário para Líderes de Escola Dominical - 2011

    A Igreja Evangélica Assembleia de Deus Missão em Marabá, através de seu Departamento de Escola Dominical estará realizando o I Seminário para Líderes de Escola Dominical, dia 05 de abril, terça-feira (feriado), a partir das 08h00, visando aperfeiçoar a liderança de EBD no desempenho de suas atividades.



    PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

     
    • PÚBLICO ALVO: PASTORES, DIRIGENTES DE CONGREGAÇÃO, COORDENADORES E SECRETÁRIOS DAS EBD’S
    • DATA: 05/04/2011, DAS 08H00 ÀS 12H
    • PROGRAMAÇÃO:
                   08H00 – ABERTURA E DEVOCIONAL
                   08H30 - 1ª PLENÁRIA, “PERFIL E ATRIBUIÇÕES DA LIDERANÇA DE EBD”
                   09H20 - 2ª PLENÁRIA, “GESTÃO MODERNA NA EBD”
                   10H10 – INTERVALO
                   10H30 - 3ª PLENÁRIA, “GESTÃO PEDAGÓGICA”
                   11H20 – PERGUNTAS
                   12H00 - ENCERRAMENTO

    • LOCAL: TEMPLO GAMALIEL (Marabá Pioneira)
    • INSCRIÇÕES: R$ 5,00 (CINCO REAIS), SERÃO REALIZADAS NO DIA DO EVENTO
    • MATERIAL: APOSTILA E CERTIFICADO

    Não perca!
    Diretoria de EBD
    Assembleia de Deus Missão em Marabá/PA

    sexta-feira, 25 de março de 2011

    Avaliação Final - 1º Trimestre de 2011

    Esta avaliação estaremos aplicando aos alunos da nossa EBD da Assembléia de Deus Missão em Marabá/PA - Templo Folha 09.
    Para baixar em arquivo PDF, clique aqui.


    AVALIAÇÃO FINAL

    NOTA:_________

    - Marque um “x” na alternativa correta:

    1)   Quem foi o escritor do livro de Atos?
    a)   o Mateus
    b)   o Marcos
    c)    o Lucas
    d)   o Paulo

    2)   Segundo a Lição 01, quais são os eventos pré-pentecostais?
    a) o A expansão do Evangelho em Jerusalém e na Judéia.
    b) o A expansão do Evangelho em Samaria e entre os gentios.
    c) o A descida do Espírito Santo no dia de pentecostes.
    d) o A ascensão de Cristo e a eleição de Matias.

    quinta-feira, 24 de março de 2011

    Mapas da Viagem de Paulo à Roma

    Estes mapas são um ótimo recurso para a aula, principalmente se a EBD dispor de um projetor multimídia (datashow). As imagens estão no blog Geografia Bíblica.







    Existe ainda uma ótima ferramenta do Google Earth, que nos leva a uma viagem virtual a Roma Antiga, clique aqui, aproveite.

    [Blog do Ciro] ®: Comunicado sobre agendamento, novos livros e assuntos afins

    Recomendo os livros do Pr. Ciro, em especial aqueles que tratam das "inovações" e erros teológicos de alguns movimentos evangélicos. Estou aguardando o lançamento de Erros Escatológicos que os Pregadores Devem Evitar.

    [Blog do Ciro] ®: Comunicado sobre agendamento, novos livros e assuntos afins#links#links#links#links

    terça-feira, 22 de março de 2011

    Lição 13 - Paulo Testifica de Cristo em Roma (Pregação em Roma)

    Chegada a Roma (Atos 28:11-16)

     28:11 / De acordo com Plínio, o velho, a estação do inverno, em que os mares estavam fechados à navegação, encerrava-se a 7 ou 8 de fevereiro. Podemos supor, então, que a estada dos viajantes de três meses em Malta encerrou-se ao redor desses dias. O navio em que reencetaram a viagem também era alexandrino, talvez outro navio cerealista, possi­velmente empurrado a essa ilha pela mesma tempestade que trouxera Paulo e os demais a suas praias. Tinha por "insígnia" Castor e Pólux, os deuses gêmeos. Pode ser correto dizer com GNB que o navio era chamado por esse nome, mas a expressão talvez se referisse a uma

    Lição 13 - Paulo Testifica de Cristo em Roma (A Viagem)

    Paulo Viaja para Roma (Atos 27:1-12)

    Extraído do Livro: Novo Comentário Bíblico Contemporâneo Atos, David J. Williams

    Como peça literária, esta história descritiva da viagem e naufrágio nos mostram Lucas no ápice, sendo um clássico de sua espécie na literatura antiga. Lucas tem sido acusado de inventar essa história, ou de pelo menos haver adaptado um conto já existente, para seus propósitos pessoais. Todavia, James Smith há muito tempo demonstrou que a precisão da narrativa, em termos de geografia, condições atmosféricas e arte de navegação é de tal ordem que não poderia ser outra coisa senão o registro de uma viagem real (p. xxxii), enquanto o emprego da primeira pessoa é indicativo genuíno de que a viagem foi feita na companhia do próprio autor.
    O prazer do viajante em relatar aventuras, e o fato de as histórias a respeito de naufrágios serem coisa da moda nos dias de Lucas, seriam suficientes para explicar a extensão da narrativa. Todavia, a estas suges­tões poderíamos acrescentar mais uma, a de que Lucas tinha em mente a crença popular segundo a qual o mar se vinga dos perversos (cp. 28:4) e que, por isso, Lucas teve um prazer especial ao contar uma

    terça-feira, 15 de março de 2011

    segunda-feira, 14 de março de 2011

    Tendências Pedagógicas - Ana Okada

    Encontrei este artigo no UOL e achei interessante, pois oferece uma noção sobre as tendências pedagógicas mais adotadas no Brasil. Este esclarecimento deve ser muito útil também para os educadores cristãos.

    Linhas pedagógicas: veja como elas funcionam e qual tem mais a ver com seu filho

    Ana Okada

    Cada escola usa os preceitos de uma ou mais linhas pedagógicas para "moldar" suas aulas. Essas teorias, no entanto, nem sempre se manifestam puramente no dia a dia dos alunos. Segundo a professora Cecília Hanna Mate, da USP (Universidade de São Paulo), é possível encontrar práticas que utilizam um ou mais aspectos de diversas linhas ao mesmo tempo, assim como é possível haver posturas individuais de escolas que seguem apenas uma dessas tendências.

    Segundo os especialistas consultados pelo UOL Educação, a coordenação pedagógica da escola é quem deve informar os pais sobre qual linha pedagógica é adotada na instituição.
     
    Mais do que saber a pedagogia que a escola adota, é interessante que os pais possam verificar, durante as aulas normais dos alunos, exemplos de atividades que são realizadas nas aulas, para que se possa comparar o que é dito ao que é de fato ensinado.


    Saiba mais sobre algumas das linhas pedagógicas mais adotadas nas escolas brasileiras:

    Como funciona: A concepção comportamentalista enfoca a técnica, o processo e o material postos em jogo. O ensino deve ser bem planejado, com materiais instrucionais programados e controlados. O objetivo é que os resultados possam ser mensurados e que o estudante adquira os comportamentos desejados, moldados segundo necessidades sociais determinadas.

    quinta-feira, 10 de março de 2011

    Lição 11 - O Primeiro Concílio da Igreja de Cristo

    O Concilio de Jerusalém (Atos 15:1-21)


    A recepção de gentios no seio da igreja sem a necessidade da circuncisão (esta daria a implicação de submissão à lei toda) pode ter sido assegurada após a conversão de Cornélio e seus amigos. Por essa época, até mesmo em Jerusalém, coluna da tradição judaica, os cristãos que se haviam reunido a fim de estudar essa questão concordaram que "até aos gentios Deus concedeu o arrependimento para a vida" (11:18), embora eles talvez pensassem que isso seria só um caso excepcional. Desde então as coisas mudaram dramaticamente; o fluxo rápido de gentios para dentro da igreja, tanto em Antioquia como nas cidades do sul da Galácia, levantou de novo a questão da sua admissão, ou com mais precisão, as condições mediante as quais deviam ser admitidos. Aceitar os 'devotos' ocasionais na igreja, pessoas que sentiam simpatia pelas doutrinas judai­cas, era uma coisa; mas era outra coisa bem diferente dar as boas-vindas a grande número de gentios que não tinham a menor consideração pela lei, e nenhuma intenção de guardá-la.

    sábado, 5 de março de 2011

    Lição 10 - O Evangelho Propaga-se entre os Gentios

    III. ATOS DE PEDRO: RECEPÇÃO DOS GENTIOS At 9.32-12.24
    a) Pedro na Palestina Ocidental (At 9.32-43)
    Um sinal da paz de que a Igreja gozava se vê em Pedro evangelizar o território semigentílico, na Planície de Sarom, e visitar Lida e Jope, onde realizou milagres de cura. O fato de hospedar-se, quando nesta última cidade, na casa de um homem que exercia uma profissão imunda, mostra como ele ia-se emancipando mais em suas relações para com a lei cerimonial.

    Os santos que habitavam em Lida (32). É claro que havia cristãos em Lida e Jope

    sexta-feira, 4 de março de 2011

    Lições Bíblicas - 2º Trimestre de 2011

    A Lição Bíblica da CPAD - 2º Trimestre/2011 terá como tema geral "Movimento Pentecostal: As doutrinas da nossa fé".

    Comentarista: Pr. Elienai Cabral.

    Segue abaixo os temas semanais:

    terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

    Lição 09 - A Conversão de Paulo II

    A Estrada de Damasco

    Extraído do Livro "O Apóstolo", de JOHN POLLOCK (Editora Vida)

    O último dia da viagem deixava para trás o Hermom, cujos cumes, ainda sob a neve, erguiam-se acima dos montes marrons recobertos de flores brancas. Mas a montanha já não parecia particularmente alta porque eles estavam perto demais para ver o pico, e o planalto de Damasco encontra-se a uma altitude de mais de 600 metros.
    À frente deles, ao pé de um monte desnudo e escarpado, estava o verde do oásis. Eles, porém, além de não perceberem, por causa da distância, o rio, os edifícios e as árvores — oliveiras, vinhedos, figueiras e amendoeiras em flor — estavam encora­jados a prosseguir adiante até ao fim da jornada, em vez de pararem, como em outras ocasiões, antes do meio-dia. O meio--dia primaveril não causaria insolação. Paulo e seu grupo con­tinuaram a caminhar. Um homem, na retaguarda, conduzia os burros ligados por uma corda. A estrada estava vazia. De vez em quando avistavam ovelhas ou bodes apascentados por um menino a brandir o estilingue, ou enxergavam um pedaço de terra onde, atrás do arado, um homem guiava o seu boi com uma longa vara com ponta de ferro.
    O céu estava claro e azul. A memória de Paulo enfatiza que não havia nem tempestade nem vento forte, como sugerem os que buscam uma explicação natural para o acontecimento.

    Lição 09 - A Conversão de Paulo

    A Conversão de Saulo (Atos 9:1 -19a)

     No que concerne a Lucas, a conversão de Paulo foi a conseqüência singular mais importante do "caso Estevão". A importância desse evento se comprova pela tríplice repetição dessa história, primeiro aqui, depois em 22:5-16, e finalmente em 26:12-18. A autoridade de Lucas deve ter sido a do próprio Paulo. Os três relatos diferem nos pormenores, e não é fácil determinar até que ponto isso se deve a Paulo — ou a Lucas — embora possamos ter razoável grau de certeza de que pelo menos alguns pontos de variação se devem a Paulo, que adaptava os relatos aos diferentes auditórios a quem falava (veja ainda a disc. sobre 21:37-22:5). Seja como for, o fato central de uma experiência culminante se estabelece acima de qualquer sombra de dúvida nos escritos do próprio Paulo (1 Coríntios 9:1; 15:8s, ; 2 Coríntios 4:6; Gálatas 1:12-17; Filipenses 3:4-10; 1 Timóteo 1:12-16).
    Lucas conta a história como se o que acontecera tivesse uma realidade objetiva. Certos eruditos modernos têm questionado esse ponto. Surgem, então, às vezes, idéias sobre uma razão psicológica. Diz

    sábado, 19 de fevereiro de 2011

    Lição 08 - Quando a igreja de Cristo é perseguida

    A Igreja é Perseguida e Espalhada (Atos 8:1 b-3)

    Embora seja tolice imaginar que os crentes formassem em Jerusalém uma comunidade tão grande ao ponto de serem maioria, pois na verdade eram a minoria, por esta época, entretanto, sua presença era sentida em todos os níveis da vida da cidade, e em geral eram bem recebidos. Todavia, a tempestade que se desencadeou com a morte de Estevão trouxe em seu bojo o declínio da popularidade dos cristãos (cp. 6:12), o que possibilitou ao Sinédrio engendrar ações mais fortes contra eles. A palavra "perseguição" ocorre aqui pela primeira vez em Atos (v. 1), e pela primeira vez os crentes comuns são diretamente atingidos. Todavia, somos lembrados de novo que "todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus" (Romanos 8:28; veja a disc. sobre 4:28). Por causa da perseguição muitos crentes fugiram da cidade e, por causa disso, o evangelho começou a espalhar-se (cp. 8:4-40; 11:19-30).
    8:1b / Até agora os saduceus é que haviam sido os principais antagonistas dos cristãos (cp. 4:1, 5s.; 5:17), enquanto os fariseus, se é que Gamaliel serve de critério, de alguma forma haviam adotado uma posi­ção mais neutra (5:34ss.). Mas Paulo, um fariseu (23:6; Filipenses 3:5), resolve abandonar a posição mais

    domingo, 6 de fevereiro de 2011

    AVALIAÇÃO DA LIÇÃO 06 – A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA NA IGREJA



    1)        Responda:
    1.1    O que é disciplina?
    ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
    1.2    Qual é a essência e o objetivo da disciplina(ver na Verdade Prática)?
    ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

    2)        Marque “C” para as afirmativas corretas e “E” para as erradas:
    2.1 (      ) A falta de disciplina pode conduzir a morte.
    2.2 (      ) O fato de estarmos vivendo nos tempos da Nova Aliança, Deus mudou tudo quanto ao padrão disciplinar de seu povo.
    2.3 (      ) Por quebrarem a disciplina, Priscila e Áquila foram severamente punidos pelo Senhor.

    3)        Complete as frases conforme a lição:
    a) O pecado de __________________ e _________________ não foi um requinte social como eles supunham; constituiu-se numa _________________ contra o __________________________.
    b) Nossa _______________ diante do Senhor é sempre mais importante do que nossa ______________.
    c) Quando o ________________ é revelado e a liderança não faz uso da _______________, segundo os padrões bíblicos, toda a _______________ sofre debaixo da ______________ do pecado.

    4)        Marque um “x” na alternativa correta:
    4.1 Quem foi o homem que vendeu sua propriedade e entregou todo o dinheiro aos apóstolos?
    a) (     ) Ananias.
    b) (     ) Barnabé.
    c) (     ) Bartimeu.
    4.2 Segundo Pedro (At. 5.3) Ananias mentiu a quem, ao reter parte do valor da venda?
    a) (     ) Aos apóstolos.
    b) (     ) A Igreja.
    c) (     ) Ao Espírito Santo.

    quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

    Lição 6: A importância da disciplina na Igreja

    11. Ananias e Safira (Atos 5:1 -11)

    Fonte: Extraído do Novo Comentário Bíblico Contemporâneo ATOS (David J. Williams), Editora Vida
    Como se fosse preciso restringir o retrato quase perfeito da igreja que se vê em 4:32-37, logo a igreja iria descobrir dolorosamente que o pecado poderia penetrar naquela comunidade. Visto que a história enquadrava-se bem em seu tema, constituindo assunto de seu interesse pessoal, Lucas decidiu mencionar algo que poderia ter sido, talvez, exemplo bem notório e primitivo de pecado relacionado ao fundo monetário comum. Ehrhardt vê essa história de Ananias e Safira como um caso de teste para a questão de se um rico poderia salvar-se — assunto importante para a igreja dos dias de Lucas — e a resposta de Lucas a essa questão (v. 4), que as riquezas em si mesmas não são más, mas constituem dolorosa tentação para o crente (p. 22). Assim é que esta história ilustra o "perigo mortal

    Arquivo do blog